Ir para o conteúdo principal

Inauguração da Ponte para assinalar dois anos do ciclone GONG

21 janeiro, 2015

Inauguração da Ponte para assinalar dois anos do ciclone GONG
Passados dois anos do ciclone GONG (19 janeiro 2013) a Fundação assinalou o dia com a inauguração de uma ponte, resultado de uma árvore tombada durante o ciclone, e uma visita a locais afetados. Marcaram presença personalidades emblemáticas da freguesia do Luso.

A inauguração da Ponte no Vale dos Abetos iniciou às 14h30 com a presença do Presidente da FMB, F.P. Eng AntÓnio Gravato, o Presidente da Junta de Freguesia do Luso, Claudemiro Semedo, o Presidente da ADELB Dr. Luís Pais, o Vice-Presidente Sr. AntÓnio Pimenta e o Mestre Henrique (antigo guarda florestal da Mata).

O Presidente da FMB, F.P. começou por agradecer a presença destas personalidades reforçando a importância da comparência de todos neste dia, reforçando um especial agradecimento ao Dr. Rui Marqueiro que esteve ausente por razões profissionais.

Segundo o Presidente da FMB, F.P., a construção desta ponte foi um exercício de criatividade e necessidade, ou seja, para superar a necessidade de retirar a árvore e facilitar o acesso dos visitantes usou-se a criatividade para construir esta ponte. Este novo elemento pretende ser uma “ponte” entre a adversidade (do ciclone) e a oportunidade que foi gerada a partir dela. A ponte é um cedro-do-buçaco com 12 m de comprimento e 18 toneladas, construída, sem custos financeiros, pelos prÓprios colaboradores e técnicos da Fundação.

O Presidente agradeceu ainda aos 2000 voluntários que nestes dois anos individualmente ou através de instituições/empresas contribuíram para a recuperação da mata, reforçando a ideia que “sozinhos não fazemos nada”. Conclui o seu discurso referindo que um dos grandes objetivos da fundação é a abertura da mata para o mundo isenta de secretismos e reunindo condições únicas.

ApÓs a inauguração da ponte foram realizadas plantações simbÓlicas que simbolizaram a reflorestação, ainda necessária, nas áreas afetadas pelo ciclone. Iniciou-se de seguida a visita a dois locais afetados pelo ciclone GONG (2013) e pela tempestade Stéphanie (2014): Garagens do Palace Hotel e Fonte do Carregal. Na Fonte do Carregal (tempestade Stéphanie, 2014) pôde verificar-se a grande evolução do local: árvores removidas, correção de danos estruturais da fonte e a pavimentação com estilha resultante das ramagens caídas no prÓprio local. Por fim, visitou-se o cedro-do-buçaco, espécime com 9 toneladas, que ainda se encontra caído sobre as Garagens do Palace Hotel do Bussaco, reforçando-se a ideia, que ainda existem espaços que, tal como este ainda não foram recuperados por falta de recursos logísticos e financeiros.





Notícias Relacionadas